TUDO EM MOVIMENTO

SOBRE

Ano de lançamento: 2013
Distribuição: Indie Records/Universal Music
Produzido por: Adonay Pereira, Eliana Printes e Orlando Veloso
Músicos: Julio Teixeira:Piano acústico, Piano Rhodes, acordeom e escaleta – Francisco Falcon: Baixo acustico, baixo elétrico e violoncelo – Sergio Nacife: Bateria – Milton Guedes:Gaita -Tavinho Menezes: Guitarra
Arranjos: Adonay Pereira e Julio Teixeira
Gravado: Nos estúdios Cia dos Técnicos no Rio de Janeiro-RJ no período de Janeiro a Maio de 2013
Técnicos: Marcus Adriano,Mauro Araujo,Sandro Rangel
Assistente:

Arthur Luna
Mixado: Por Marcus Adriano estudio Cia dos Técnicos Rio de Janeiro-RJ
Masterizado no estúdio Cia dos Técnicos por: Flávio Senna
Foto da capa:

Adonay Pereira
Projeto gráfico: Luanda Pereira
Figurino: Flávio Mothé

FAIXAS

1. Seita (Péri)
2. Ai (Kléber Albuquerque/Tata Fernandes)
3. Congênito (Luiz Melodia)
4. Pra começar (Kléber Albuquerque)
5. Gêmeos de nome (Walter Fernandes)
6. A medida da paixão (Lenine e Dudu Falcão)
7. Se tudo pode acontecer (Arnaldo Antunes/Paulo Tatit/Alice Ruiz/João Bandeira)
8. Pra te falar (Walter Fernandes)
9. La condessa (Ricardo Bezerra/Ribamar Vaiz/Soares Brandão)
10. Chão de ninguém (Walter Fernandes)

 

 

O tempo de Eliana Printes não pára!

Por: Jean Wyllys

A cantora e compositora amazonense Eliana Printes é uma daqueles vozes do Brasil profundo – forjada na periferia cultural do país – que surpreendeu o “sudeste Maravilha” (o ainda centro da indústria cultural brasileira) entre o final dos anos 90 e o início dos anos 2000.
Contralto afinada – sem apelar a exibicionismo vocal – e dona de um timbre singular que a distingue em meio ao burburinho de novas vozes femininas iguais entre si, Eliana Printes ainda é uma intérprete inteligente e de rara sensibilidade – daquelas que, ao gravar uma composição alheia, mesmo uma já bastante conhecida, apropria-se da canção como se fosse sua, ressaltando, nesta, aspectos antes despercebidos.

Por exemplo, suas interpretações para “Canto das três raças” e para “Só vou gostar de quem gostar de quem gosta de mim” – gravadas primeira e respectivamente por Clara Nunes e Roberto Carlos – são memoráveis porque recriadas com a sua marca: uma tapeçaria musical tecida com os fios da música de raiz dos povos da floresta; do cancioneiro popular e radiofônico que compõe a memória afetiva de quem nasce e se cria no norte e nordeste do Brasil e com os fios da MPB mais sofisticada e prestigiada pelos cânones – uma tapeçaria musical encantadora por apresentar diferentes e lindos desenhos.
Mas foi com “Os presentes”, de Kleber Albuquerque, gravada em seu terceiro disco, que Eliana Printes tomou, de assalto, as rádios de todo país. “Que presentes te daria?”, ela perguntava nos primeiros versos dessa canção quando o verdadeiro presente em questão era a sua voz; a sua existência para um número maior de brasileiros…

Não por acaso Printes escolheu, como título de seu novo disco (este que ora vos apresento), a expressão “Tudo em movimento”. Sim, nada neste mundo está parado mesmo quando parece estar. Há o movimento dos barcos, o movimento dos astros; os movimentos estéticos e musicais não desapareceram e a juventude em movimento voltou a se manifestar nas ruas… Eliana Printes saca tudo isto, mas se concentra no movimento de um sentimento que está no fundamento de todo movimento humano: o amor.

E para expressar isso, oferece-nos um repertório de músicas inéditas e regravações elaborado com rigor e primor. Há, nele, por exemplo, a poesia urbana de “Se tudo pode acontecer” (Arnaldo Antunes, Paulo Tati, Alice Ruiz e João Bandeira), que, ao contar com a participação especial de Isabella Taviani, remete também à relações afetivas em tempos de reivindicação pelo casamento igualitário – uma pérola cujo brilho ainda é ressaltado pelas guitarras de Tavinho Menezes.

Na releitura de “Congênito”, de Luiz Melodia, Eliana Printes divide os vocais com o próprio compositor. É evidente a intimidade da intérprete com o universo de Melodia, de quem ela já havia gravado “Salve linda canção sem esperança” – intimidade ressalta pela gaita de Milton Guedes, que também participa na inédita “Gêmeos de nome”.

Destaco ainda, no repertório, “La Condessa” (Ribamar Vaz, Ricardo Bezerra e Soares Brandão), em que Printes aparece acompanhada de um quarteto de Cordas formado por músicos da Orquestra Sinfônica de Potsdam, Alemanha.
Produzido pela própria cantora em parceria com Adonay Pereira, que também assume os arranjos juntamente com Julinho Teixeira, “Tudo em movimento” é o presente diferente de uma cantora e compositora talentosa a uma cena musical brasileira que não pára. Desde que o ouvi, sigo junto com ele. Convido-vos a seguir também porque o tempo não pára mesmo… Nem o amor. Obrigado, Eliana Printes!

LUIZ MELODIA

Eliana Printes e Luiz Melodia

Na faixa Congênito de (Luiz Melodia)
Foto arquivo particular

QUARTETO DE CORDAS – POTSDAM ALEMANHA

Quarteto de Cordas foto Michael Grossmann

Crédito foto: Michael Grossmann
Na faixa La condessa de (Ricardo Bezerra/Ribamar Vaiz/Soares Brandão) a participação do Quarteto de cordas formado por músicos da Orquestra Sinfônica Collegium musicum Potsdam:
Erasmus Meinerts: Violino / Jessica Glaser: Violino / Christine Dammann: Viola / Frauke Lüchow: Violoncelo
Direção musical do quarteto: Knut Andreas
Arranjo de cordas: Erasmus Meinerts
As cordas foram gravadas na Friedrichskirche, em março de 2013 na cidade de Potsdam – Alemanha
Técnico de gravação: Rainer Schwarte
Na foto da direita para esquerda: Erasmus, Jessica, Rainer, Knut, Christine, Frauke

ISABELLA TAVIANI

Eliana Printes e Isabella Taviani em estudio

Na faixa Se tudo pode acontecer de (Arnaldo Antunes /Paulo Tatit /Alice Ruiz/ João Bandeira)
Foto arquivo particular

CLIPPING

Portal G1 – show no aniversário de Manaus

Portal G1 – Cantora Eliana Printes se apresenta em Boa Vista

Veja Rio

Rio Show

Rádio Globo Rio

Trilha Cultural Agenda

Ligado no Rio

Boa Diversão